Sociedade civil fortalecida para luta contra HIV/SIDA em Moçambique


Diversas organizações da sociedade civil contam, oficialmente, desde ontem com 35 milhões de dólares norte-americanos para o suporte das suas actividades com vista à redução da incidência do HIV/SIDA no país dos actuais índices para a metade nos próximos cinco anos.

Neste momento, 350 pessoas contraem a doença diariamente, cifra considerada reduzida se comparada com a de 2005, altura em que o número de novas infecções em cada 24 horas situava-se em 500 casos. Porém, esta redução ainda não deixa as autoridades governamentais descansadas.

O programa, ontem lançado, na cidade do Maputo, é liderado pela Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade (FDC) e é financiado pelo Fundo Global, uma parceria público-privada criada em 2002 e sediada em Genebra, Suíça, com o objectivo de canalizar apoio às acções de prevenção e tratamento do HIV/SIDA, tuberculose e malária.

Os fundos do programa da FDC, que contam como parceiros de primeira linha a ADPP, MONASO, Medicus do Mundo Portugal, Fórum Mulher, ECoSida e Projecto Hope, destinam-se, essencialmente, para prevenção de novas infecções, expansão dos serviços de aconselhamento, testagem, cuidado e tratamento, para além do fortalecimento dos sistemas comunitários de apoio às famílias vulneráveis. Os trabalhos, alinhados com o Conselho Nacional de Combate à SIDA e o Ministério da Saúde, serão igualmente realizados por várias outras organizações a nível provincial, distrital e comunitário.

Dados avançados no encontro indicam que o financiamento vem sendo negociado com o Fundo Global há cerca de dois anos e meio e que o programa decorrerá em duas fases, a primeira a decorrer entre 2011/2013 e a segunda dali até 2016.

Narciso Matos, director executivo da FDC, que procedeu ao lançamento oficial do projecto, destacou que se trata de uma caminhada extremamente exigente na qual os envolvidos não serão avaliados pelo trabalho realizado, nem reuniões, mas de acordo com os resultados alcançados.

“O doador é muito exigente nas avaliações e não só se preocupa com os resultados, mas também olha para a sua qualidade”, disse, exortando as organizações da sociedade civil que farão parte da iniciativa a terem humildade suficiente de pedir ajuda aos que fazem melhor trabalho.

Falando ao “Notícias”, Narciso Matos disse que a FDC negociou o financiamento após constatar ao longo de mais de dez anos de trabalho com as comunidades que haverá poucos ganhos em tudo que nelas for feito se não prestar atenção à saúde dos seus membros.

 jornalnoticias.co.mz – 21.12.2011

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

  • Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Junte-se a 24 outros seguidores

%d bloggers like this: