É Melhor Saber: “É possível quebrar a cadeia de transmissão do vírus da Sida”


O movimento É Melhor Saber quer pôr todos os portugueses a fazerem o teste do VIH/Sida – que é gratuito, indolor, voluntário e confidencial – uma vez que a necessidade do diagnóstico precoce é essencial na luta contra o vírus.

Esta foi a principal mensagem deixada pelos vários responsáveis presentes hoje de manhã, na Fundação Gulbenkian, na apresentação do É Melhor Saber.

“É possível quebrar a cadeia de transmissão do vírus da Sida. Espero que esta seja uma nova era, acredito neste projecto e sei que é possível, em pouco tempo, termos uma geração sem Sida”, explicou o deputado Ricardo Baptista Leite, coordenador do grupo de trabalho do VIH/Sida na comissão de saúde da Assembleia da República.

“A maioria dos portugueses que tem uma vida sexualmente activa ou usou drogas corre um risco”, alertou Luis Mendão, que deu a perspectiva de doente, uma vez que vive com Sida há 16 anos. “O teste tem de ser gratuito, confidencial e voluntário. E é. Se não investirmos num diagnóstico tão precoce quanto possível, não vamos poder controlar a infecção”, continuou.

Tão importante como fazer o diagnóstico precoce, de acordo com o director do programa nacional de combate à infecção VIH/Sida, Henrique Barros, é garantir, em caso de infecção, os respectivos cuidados de saúde.

“É eticamente reprovável propor o rastreio sem haver meios no terreno. Assim, estamos a castigar ainda mais a vítima”, revelou Henrique Barros. “Há um compromisso que tem de ser feito neste entusiasmo da promoção do diagnóstico, [que é o dos cuidados de saúde adequados]”.

Consulte o site do É Melhor Saber. E o Facebook.

A questão da ética no diagnóstico precoce foi abordada também por Ricardo Baptista Leite, que reforçou esta ideia com a certeza de que também os profissionais de saúde terão de ter melhores condições. “Ao aumentar drasticamente o número de pessoas que conhecem que estão infectadas, há que dar todas as condições aos profissionais de saúde”, recordou o responsável.

A verdade é que as condições do tratamento do VIH/Sida têm tido grandes melhorias, ao longo dos anos. “Sou médica há 32 anos e é muito melhor, hoje, trabalhar com pessoas infectadas, é mais fácil. Mas continuamos a falhar no diagnóstico”, revelou Teresa Branco, da APECS (Associação Portuguesa para o Estudo Clínico da Sida).

A responsável recordou que ainda há muitas pessoas que chegam “num estado tardio” da infecção. “Esta necessidade do diagnóstico precoce é muito, muito importante. Até do ponto de vista de saúde pública”, concluiu.

Finalmente, Ricardo Baptista Leite mostrou-se desapontado pela evolução do número de infectados, ao longo dos anos, em Portugal. “Algo se passa em Portugal… porque até achamos que se está a fazer tudo bem, no que toca à luta contra a Sida, mas apenas a Estónia e Letónia, na Europa, têm piores estatísticas”.

E os dados são mesmo impressionantes. De acordo com o deputado, há 37 mil infectados em Portugal, sendo que há uma população potencial de outros 30 mil que não sabe do seu estado serológico.

Daí que, voltando ao início do artigo, é necessário fazer o teste do VIH/Sida, porque só assim poderemos quebrar a cadeia de transmissão do vírus.

GreenSavers – 15.12.2011

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

  • Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Junte-se a 24 outros seguidores

%d bloggers like this: