Nepaids promove em São Paulo seminário `30 anos de Aids: a 4ª década pode ser a última´


O  Nepaids não está contente com a estabilização da epidemia de aids, afirma Vera Paiva, coordenadora desse núcleo de estudos. Segundo ela, esse era o objetivo no começo dos anos 90, mas agora é preciso abaixar a curva da epidemia. “Já temos condições para isso. Não podemos mais pensar só no controle da aids, mas sim na diminuição do numero de novas infecções e de mortes”, disse. 

Pedro Chequer, diretor no Brasil do Programa Conjunto das Nações Unidas para o HIV e Aids (Unaids) e ex-diretor do Programa Nacional de DST/Aids, disse à Agência de Notícias da Aids que do ponto de vista científico o País tem condições de acabar com a epidemia na próxima década.

O epidemiologista explica que os maiores desafios são diagnosticar as cerca de 300 mil pessoas que têm o vírus e não sabem e tratar mais cedo todas as pessoas com HIV, ou seja, começar o tratamento com antirretrovirais quando o paciente estiver com as células de defesa do organismo (CD4) por volta de 500 e não próximo a 350, como ocorre atualmente. “Em tratamento, a chance de uma pessoa infectada transmitir o vírus é bem menor, e assim, seria possível evitar milhares de novos contágios”, comentou. “Na Argentina e em vários países da Europa isso já começou a ser feito”, acrescentou.

Mas para que isso ocorra, ressalta Chequer, é necessária uma mobilização nacional para que a aids volte à agenda como prioridade do País. “Já conseguimos isso quando demos início ao tratamento da aids rede pública. Temos agora a possibilidade de novamente nos tornarmos um exemplo para o mundo”, disse.

A coordenadora do Programa de DST/Aids do Estado de São Paulo, Maria Clara Gianna, também defendeu o diagnostico precoce e um maior investimento público contra a doença. “Temos condições claras de fazer com que a aids deixe de ser uma epidemia no Brasil, mas para isso precisamos investir efetivamente em programas para a população em geral e para as mais vulneráveis à infecção, na prevenção da transmissão vertical e no aconselhamento e testagem do HIV”, citou.

Clara lembrou ainda que o seminário marca o encerramento  do 1º Curso de Especialização em Prevenção às DST/aids no Quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos. Apoiado pelo Programa Estadual de DST/Aids do Estado de São Paulo, o curso formou durante um ano e meio cerca de 60 pessoas que atuam na coordenação de programas municipais de DST/aids do Estado.

“A ideia foi capacitá-los ainda mais para uma resposta eficaz contra a epidemia nos municípios”, afirmou.

Além de Chequer e Clara, estiveram entre os participantes do encontro, o diretor da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (ABIA), Richard Parker; Sofia Gruskin, da Universidade de Harvard dos Estados Unidos; os professores da USP Vera Paiva, José Ricardo Ayres, Ivan França Junior e Jorge Beloqui; o pesquisador do Departamento de Medicina da USP Alexandre Granjeiro; o diretor-adjunto do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Eduardo Barbosa; a coordenadora do Programa de DST/Aids do Estado de São Paulo, Maria Clara Gianna, o coordenador-adjunto deste Programa Estadual, Arthur Kalichman; entre outros especialistas.

Durante o evento foi também comemorado os 20 anos do Nepaids, inaugurado uma exposição virtual sobre os “30 anos de Aids no Brasil e de Prevenção”; e houve uma homenagem a algumas pessoas que contribuíram para a pesquisa, à inovação tecnológica e à reflexão crítica sobre prevenção na resposta à epidemia.

Os homenageados foram Elza Salvatori Berquó (Faculdade de Saúde Pública da USP), Euclídes Ayres Castilho (Faculdade de Medicina da USP), Ruy Laurenti (USP); José da Rocha Carvalheiro (USP de Ribeirão Preto,) Paulo Roberto Teixeira (Programa Estadual de DST/Aids de São Paulo), Regina Maria Barbosa (Unicamp), Amália Suzana Qualquiman (Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo), Alessandra Blengini Martins (Instituto de Psicologia da USP), Teresinha Cristina Reis Pinto (Educaids), Elisabeth Vieria Gonçalves (Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual) Sylvia Cavassim (Ecos – Comunicação em Sexualidade), Mário Scheffer (Pela Vidda-SP),  William Siqueira Peres (Unesp de Assis), Fernanda Lopes (UNFPA), Sirlene Caminada (CRT-DST/Aids de São Paulo), Jorge Beloqui (USP e GIV), Karina Wolffenbuttel (CRT-DST/Aids de São Paulo), Maria Inês Battistella Nenes (Departamento de Medicina Preventiva da USP), Elizabeth Franco Cruz (USP), Gastão Vagner de Souza Campos (Unicamp) e as organizações não governamentais É de Lei e Qoinonia.

O seminário “30 anos de Aids: a 4ª década pode ser a última” recebeu apoio da Fundação Ford, do Centro de Referência e Treintamento em DST/Aids do Estado de São Paulo e do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde.

As discussões ocorreram no auditório do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, no Campus Butantã.

Agência Aids – 05.12.2011

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

  • Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Junte-se a 24 outros seguidores

%d bloggers like this: