VIH/sida: especialistas receiam impacto da crise na prevenção e combate à doença


Os possíveis reflexos da crise na prevenção e tratamento do VIH marcaram esta sexta-feira os trabalhos da Conferência VIH Portugal, com um representante governamental a garantir que os apoios a estes doentes vão continuar, avança a agência Lusa.

 

O primeiro painel de especialistas concordou com a necessidade de controlo de custos, com Luís Mendão, da organização da conferência, a reconhecer que “se têm de escolher prioridades”.

 

No entanto, este representante da comunidade advertiu para os perigos de normalizar, para já, o Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH), alertando para a grave situação da doença no país, bem pior do que muitos países da Europa Ocidental e Central.

 

Uma situação que terá sido levada em conta pelo Governo que, na sua reavaliação das isenções no pagamentos das taxas moderadoras, decidiu manter a isenção aos doentes com VIH, “independentemente de terem ou não sida”, segundo o secretário de Estado e adjunto do Ministro da Saúde, Fernando Leal da Silva, presente no encontro.

 

O responsável garantiu que o Governo está empenhado em manter os apoios na prevenção, diagnóstico e tratamento da doença e anunciou mesmo que o modelo de coordenação existente deverá evoluir para uma maior direcção, para que “se percebam as directivas que deviam ser cumpridas”.

 

Nesta área, o Executivo elegeu a prevenção e a promoção da saúde como o “problema principal” e deverá haver um “maior enfoque” nestas áreas, levando em conta “os jovens e toda a sociedade”.

 

O alerta sobre os possíveis efeitos da crise na pandemia do VIH foi igualmente partilhado por Wolfgang Philipp, representante da Comissão Europeia, que neste encontro chamou a atenção para os efeitos nefastos de uma redução dos investimentos na prevenção que, no futuro, se traduzirão em mais despesa para os estados.

 

Neste primeiro painel da Conferência, que se realiza com o tema “as prioridades do diagnóstico e dos cuidados de saúde precoces para a infecção pelo VIH no contexto de crise em Portugal”, o vice-presidente da Comissão Parlamentar de Saúde trouxe uma mensagem de apoio a quem trabalha nesta área, garantindo que os deputados estão atentos e não pretendem descurar o seu trabalho com o VIH.

 

“Todos sabemos que na saúde há contenções a fazer, principalmente quando há desperdício, mas temos de fazer os possíveis para esta área não ser abrangida pelos cortes, principalmente na prevenção e diagnóstico”, disse António Couto dos Santos.

 

O ex-presidente da República e Alto representante das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações, Jorge Sampaio, partilhou com os participantes os seus receios de que “a crise económica e social que se vive possa levar a pensar que os factores culturais são uma espécie de luxo dispensável”.

 

“Isso é um erro”, disse, defendendo que, “na literacia do VIH, da tuberculose e outras pandemias, é necessária uma maior atenção à dimensão humana, cultural e social da doença”.

Agência Lusa – 30.09.2011

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

  • Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

    Junte-se a 24 outros seguidores

%d bloggers like this: